Pular para o conteúdo

Resenha: A Little Princess (A Princesinha) [romance]

7 de fevereiro de 2014

Desde adolescente, depois de conhecer a versão cinematográfica de O Jardim Secreto, era uma curiosa acerca da obra da inglesa Frances Hodgson Burnett. Na época, lembro que procurei, com os meios que podia, o livro em que o longa se baseou, sem sucesso. Parece que todos estavam esgotados, e como eu só lia em português, esqueci a ideia por um tempo. Somente no fim do ano passado é que me resolvi a comprar, nessa edição retrô do selo Harper Trophy, da HarperCollins, as duas obras mais conhecidas da autora: além de O Jardim Secreto (próxima resenha aqui do blog), também A Princesinha.

 O romance, cujo enredo foi inicialmente concebido numa peça da autora, narra uma etapa substancial da infância de Sara Crewe, filha de um jovem oficial viúvo. Ela havia nascido na Índia (país-tema recorrente na obra de Burnett) e nunca se separara do pai, mas agora se via obrigada a deixar sua companhia para viver no internato de Miss Minchin numa nevoenta Londres, lugar que não lhe parecia muito acolhedor, embora, por ser rica e elegante, recebesse tratamento especial. Inteligente, criativa e doce no limite do inverossímil, Sara se torna a aluna mais popular do internato, acolhendo em sua companhia meninas mais vulneráveis, até mesmo a criada da casa, Becky. O amor pelos livros e o talento para contar histórias faz de Sara uma atração.

Anos depois, no seu luxuoso aniversário de onze anos, preparado a mando do pai, Sara recebe uma carta através da qual fica sabendo que ele havia falecido sem deixar nada da antiga fortuna. A partir de então, Miss Minchin, revoltada com tamanho prejuízo, decide escravizar a mocinha para tentar recuperar o que havia perdido. As provações de Sara, outrora praticamente uma princesa, que passa então a dividir o horrendo sótão da casa com Becky, se sucedem uma a uma, cada qual mais amarga e cruel:

…ela havia sido privada de seu jantar, pois Miss Minchen havia decidido puni-la. (…) de dez em quando alguém gentil que passava por ela na rua a olhava com repentina compaixão. Mas ela não se apercebia disso. Ela seguia apressada, tentando fazer com que sua mente se centrasse em outra coisa. Era realmente muito necessário. (pp. 200 – 201, tradução minha)

Arte de Tasha Tudor

O plot que cumpre o percurso cíclico felicidade – miséria – felicidade me fez associar o romance ao clássico europeu da Cinderela de imediato. Acho que não é spoiler nenhum declarar que Sara Crewe tem, sim, seu desfecho de princesa que sempre fez de conta ser. Ninguém buscaria se surpreender muito ao ler uma obra de Burnett (será?). A linguagem é bastante simples, açucarada ao extremo em alguns momentos, culminando com frequência em explosões kitsch sentimentaloides (o que não chegou a me incomodar, visto que eu já previa o uso desse tipo de recurso).

Terminei o livro com a conclusão de que, comigo, ele só funcionaria antes que eu chegasse a uma certa idade, e de eu que eu já a havia ultrapassado há algum tempo. Ainda assim, achei a leitura bastante divertida. O que buscamos em A Princesinha é conforto, imagino; aquecer o coração com uma história clássica onde os bons serão recompensados e, os vilões, castigados. E isso Burnett sabe exatamente como nos oferecer.

Autora: Frances Hodgson Burnett
Introdução: Phyllis McGinley
Ano da publicação original: 1905
Ilustrações: Tasha Tudor
Título no Brasil: A Princesinha
Editora: HarperCollins
ISBN 13: 9780007203543 ISBN 10: 0007203543
324 páginas

Avaliação: 

Comprar: Book Depository

Anúncios
5 Comentários leave one →
  1. 5 de março de 2014 12:58

    Jéssica, não lembro a idade que tinha quando vi o filme “Jardim Secreto”, e ontem mesmo vi a edição da Penguim Companhia na livraria…parece ser um livro reconfortante 😉 espero sua resenha.

    Essa também é bem fofinho ❤

    beijo grande,

  2. 19 de fevereiro de 2014 15:38

    Gente! Será que o WP comeu meu comentário?

    Eu dizia que não li nada da autora, mas que fazia parte do time que assistiu ao filme – d’O Jardim Secreto – na Sessão da Tarde e tinha ficado louco para ler. A biblioteca da escola onde estudava tinha uma edição, mas alguém a emprestara e não devolvera….Acredito que, neste livro, a autora tenha feito algo que Dickens fazia com frequência, que era com que seus protagonistas sofressem, e muito, para terem uma redenção no final. Talvez esse seja um recurso da época, para fazer com que os leitores suspirassem, e acredito que ainda funciona.

    Linda a edição, pena que dificilmente a autora será republicada por aqui.

    • 19 de fevereiro de 2014 20:59

      Como assim, comeu seu comentário, Luciano? Absurdo essa dieta do WP! rs

      Sim, eu também fiquei muito interessada na autora a partir da experiência com o filme O Jardim Secreto, e gostei bem mais do romance de mesmo título.

      Realmente essa era uma tendência dos plots da época, daí a comparação com Cinderela.

      Pra mim não funcionou, acho que eu criei uma certa defesa contra histórias assim, tão moldadas rs Mas achei O Jardim Secreto bem diferente, vou resenhá-lo em breve.

      Um grande abraço! 😉

  3. 7 de fevereiro de 2014 21:11

    Burnett escreve magnificamente bem. Mas nenhum livro dela bate o The Secret Garden, meu livro amado – junto com o filme e a trilha sonora.
    Essa sua edição é perfeita! oO
    Amo seu blog – já te disse isso?
    Continue postando, viu? Venho aqui sempre ver se tem coisa nova. =D

    • 7 de fevereiro de 2014 21:18

      João, ela realmente é perfeita no que se propôs a narrar. 🙂

      Gostei muito mais d’O Jardim Secreto, e você vai ver por quê, na próxima resenha.

      Obrigada pelo carinho, sempre. Abraços.

Deixe uma resposta para Eu Entre Livros Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: